domingo, 9 de abril de 2017

Felicidade solitária

Desde crianças somos ensinados que precisamos conviver em sociedade e que "nenhum homem é uma ilha", sendo assim, precisamos de alguém quase que sempre. Por aprendermos algo tão cedo, acabamos levando essa "regra" para nossa vida pós-infância e nos acostumando que precisamos ter alguém ao nosso lado, que precisamos de alguém para sermos felizes.
Comigo isso aconteceu de uma forma diferente. Fui criado apenas por minha mãe e não tenho irmãos, e apesar de ter vários primos, moramos longe. Ou seja, desde pequeno aprendi a conviver com a minha própria companhia, nunca vendo isso como um problema, mas, sim, como uma vantagem.
Contudo, em certa parte da vida, procurei sempre a companhia de outra pessoa para poder me sentir completo, seja essa pessoa um colega/amigo, ou namorado. Eu só queria sair para tomar sorvete, cinema ou praça se fosse acompanhado de alguém. Acabei me sentindo sozinho de qualquer forma.
Então duas coisas, que pode parecer banais, aconteceram: eu ouvi "Happy" da Marina and The Diamonds e assisti ao filme "Como ser solteira". Basicamente, a mensagem que ambos passam é que não precisamos de alguém para nos trazer felicidade ou nos completar. É clichê, mas a felicidade parte de dentro da gente, e mesmo que estejamos sozinhos numa mesa de bar, porém felizes, estaremos bem.
Ninguém nos trás mais felicidade do que nós mesmos, pois somos os responsáveis pelos caminhos que tomamos na vida. Namorados se vão, assim como certos amigos, e mesmos que alguém continuem por perto, apenas você continua ali, dono de si. Não existe companhia melhor do que a sua própria.

"I found what I've been looking for in myself" - Happy, Marina and The Diamonds

Em nossas mãos

Nunca foi tão importante compartilhar momentos nossos, com o mundo, quanto agora. Eu percebo que há uma necessidade de mostrarmos para os nossos seguidores e amigos o que estamos fazendo e com quem estamos; e o pior: fazemos isso sem nos darmos conta de que acaba sendo prejudicial para nós.
Deixamos de curtir um show ou evento para filmarmos e publicarmos no instagram/snapchat, quase como se fosse uma necessidade de dizer "olha, eu estou fazendo alguma coisa!". Ou perdemos mais tempo tentando tirar aquela foto perfeita com os amigos do que de fato curtindo aquele momento único, que pode demorar para acontecer de novo.
Parece hipocrisia da minha parte criticar esse estilo de vida, mas eu o vivencio quase que sempre. Quando eu saio pra beber com amigos "preciso" tirar foto daquele lugar em que estou, esse é um exemplo. E apesar de tentar ao máximo me desligar disso, é bem difícil, e acredito que outras pessoas também podem achar difícil.
É interessante o quão algemados estamos a estes dispositivos que estão em nossas mãos. Parece ser simples deixar de lado por algumas horas, mas já virou um rotina destravar o celular e ver o que tá se passando nas rede sociais.
Quando comprei meu primeiro smartphone, pasmem, em 2014, eu era extremamente viciado em tirar fotos de mim, dos meus amigos e do local em que eu estava, para publicar no snapchat (muito usado naquela época), ou ficar conversando com alguém pelo whatsapp. Até que eu notei que eu não estava curtindo de verdade o momento e aí decidi fazer o seguinte: não colocaria créditos no celular para ter acesso à internet móvel, assim, eu evitaria postar qualquer coisa(além de economizar).
Hoje, eu vejo o quão bom foi ter tomado essa iniciativa. Fico pasmo quando saio com amigos e eles ficam usando o celular ao invés de conversar ou interagir.
Então, você prefere compartilhar ou desfrutar do momento?

terça-feira, 14 de março de 2017

Intensidade.

Vivemos num tempo onde demonstrar sentimentos é correr o risco de parecer desesperado por algum relacionamento, e ainda enaltecemos a pose do "se faz de desinteressado". Quem nunca recebeu uma mensagem e esperou uns cinco minutinhos para responder só para fazer um charme, ou então pra se mostrar ocupado? É o famoso joguinho do interesse/desinteresse que, infelizmente, estamos acorrentados direta ou indiretamente.
Cê conhece alguém na balada, rola um clima e uma troca de olhares, mas tem que ter um tempo, uma maneira de chegar, como se fosse uma dança do acasalamento. Conversam, mas ainda sim rola aquela dúvida: "Se eu ficar com ele agora, vou ser muito oferecida?" ou "Não é melhor esperar mais para podermos ficar?".
E mesmo você não fazendo ou jogando esse tipo de jogo, você acaba sendo refém dele, ao tentar se relacionar com alguém que gosta disso.
Pessoalmente, eu tento ao máximo me desfazer dessa concepção e tentar ser o mais verdadeiro possível, de acordo com meus sentimentos. Tento ser intenso, na medida certa. E você? Qual foi a última vez que você foi intenso?

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Deus?

Se existe algum Deus,
Você realmente acha que Ele
Está num sentando num trono sob os céus?

Acha que ele é um bom velhinho barbudo
Que quando você peca, Ele tem que ser carrancudo
e que quando tu eras, Ele é o culpado de tudo.

Ele certamente não está se importando
Com o tipo de roupa e tecido que você está usando
ou até mesmo com quem você está transando.

Ele nem faz questão de saber,
Sobre o tipo de carne que você vai comer
E se até "Leviticos" você gosta de ler.

Se existe Deus, não deve mandar para o inferno
Quem ama alguém do mesmo sexo
Esse tipo de pensamento deixa muito "pastorzinho" perplexo.

Você deve pensar que Ele odeia quem usa maconha,
E que ele conversa contigo, enquanto você sonha
E Ele aparece ou na sua torrada ou prato de pamonha.

Talvez você pagando o dízimo,
Salve todo esse seu cristianismo.


sexta-feira, 3 de abril de 2015

Talvez seja felicidade

Sempre que a aula começa (pra quem não sabe sou professor) pergunto aos meus alunos em inglês "Como cê está?" e geralmente eles me respondem: Happy (Feliz);
Como tudo é relativo, talvez o "feliz" deles seja bem diferente do meu ou do seu. O que dá felicidade aos meus alunos, crianças, são pequenas coisas, como ganhar 10 pontos, acertar uma questão, ganhar uma competição, ganhar cartinhas pokemon, construir uma casa no Minecraft e até o terminar da aula.
Eu vou pra casa e me pergunto: O que me faz feliz?
Quando eu tinha a mesma idade que eles, uns 9/10 anos, eu fica feliz com as mesmas coisas; mas parece que quanto mais cê envelhece, mas as coisas ficam dramáticas.
Felicidade hoje é ganhar um abraço inesperado, uma proposta animadora, fazer as pazes com aquela pessoa que já te machucou e até saber que você está vivo.
Daqui uns 40 anos, talvez, meu motivo de felicidade seja me lembrar do nome dos meus filhos e até saber andar.
O que eu quero dizer é que o sentido de ser feliz muda, não só conforme a nossa idade, mas conforme nosso pensamento. Talvez algo que te trouxe tristeza seja algo que vai te fazer feliz daqui algum tempo, ou que "prepare o terreno" para uma felicidade posterior.
O mais importante é saber que felicidade é feita de coisas pequenas, que quando juntas, são imensas. Seja feliz!

domingo, 28 de dezembro de 2014

Vida alheia

Dizem que já sai com vários garotos,
E que cada um deles é um ponto
Nesse quase conto

A sociedade se preocupa
E sempre se ocupa,
Com a vida que perturba . 

Eles dizem "O Nicholas é um vadio!",
"Não vale o que o gato enterra",
"Ele sempre erra".

Na boca de muitos sou um arrogante,
Não passo de um farsante, 
Isso se espalha num instante.

Fofoqueiros estão sempre fofocando,
E eu amo quando estou os incomodando.

Me colocam num crucifixo,
Dizem que sou isso e aquilo;
São irritantes como um grilo.

A vida alheia é atrativa .
Mas a minha parece ser mais chamativa.

Até espalharam por aí que eu quis ficar com um fulano ,
E que até levei um fora,
Nunca fiquei sabendo dessa história.

Terminam "amizade" por conta de ex namorado,
Mesmo sabendo que tudo estava acabado,
E quando ocorre um pedido de desculpas diz não ter se importado.

É tudo tão fútil e infantil 
Por favor, recolha à sua insignificância, 
Você age feito criança.

As fofocas não procedem,
Parece que sou a cobra do jardim do Éden;
Minha "reputação e fama" se despedem.

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Coleções

Eu posso ler cada expressão 
Como um cigano lê minha mão.

Adoro quando cê me deixa na porta de casa, 
Dizendo que um dia a gente se casa.

E até quando cê ousa beijar minha mão, 
Implorando  pelo meu perdão 

Você pode ser o meu segredo
E eu serei o seu,
Ninguém precisa saber que cê é só meu.

Me dê um abraço em público,
Como se eu fosse o único.

Amava o jeito que cê me da bom dia,
Se você soubesse o quão feliz isso me fazia...

Quando cê me deseja boa noite,
Diz pra eu dormir bem,
Mas você fala isso para mais quem?

Amores, 
Dores
Felicidade
Saudade

A foto ainda não chegou,
Mas eu sei que para vários você mandou

As coisas que você contava,
E eu sempre acreditava

O jeito que me olhava e 
Eu sempre me enganava 

Você dizia que sabia mentir,
Eu já estava cansado de ouvir

É melhor a gente terminar,
Pois já sei como essa história vai acabar

Não serei mais um nas suas coleções,
De tristes corações.